Post thumbnail

O poder do Karthus

Quem acompanha o competitivo de League of Legends provavelmente já se deparou com algum Karthus, seja ele na rota do meio, inferior, selva ou até mesmo… nos banimentos. Talvez agora, nessa temporada de 2019, possa ser que ele desapareça da rota inferior, principalmente pelos buffs que os atiradores têm recebido, que acabam chamando a atenção para os mesmos. Entretanto, a presença em geral do campeão está muito evidente!

Para os que jogam League of Legends desde os primórdios, lembram que o Karthus já foi um dos campeões mais fortes da mid lane, principalmente na primeira temporada, mas que, com o decorrer do tempo, foi sendo deixado de lado, principalmente com o aumento do leque de campeões e com os reworks que deram um novo fôlego a personagens relativamente esquecidos.

Karthus voltou ao jogo a partir do momento no qual a runa Colheita Sombria ficou bastante conhecida – no ano passado – pelo grande Dano Adaptativo adicional que ela oferecia aos campeões. Mesmo com o ajuste do número de almas para 5 stacks, ao invés dos 8 stacks originais, a escolha ainda permaneceu forte. E, embora tenha sofrido mais um ajuste, caindo para 2 stacks – conferindo de 20-60 de dano, +5 de dano por cada essência adquirida e + 0,15 de PdH -, a runa não foi abolida e está nos livros de praticamente todo Karthus! Atualmente, mesmo que só seja possível recolher essas almas se seu inimigo estiver com menos de 50% da vida, o campeão não foi atingido, ou seja, basta um Réquiem – sua ultimate-, que ele consegue estacar essas essências.

Apesar de ser mais utilizado com a Colheita Sombria, pode ser usada também com o Cometa (em situações de rota).

Runas mais utilizadas para Karthus Jungle. Fonte:op.gg

  • Na Selva

Como jungler, é extremamente forte se você souber o tempo certo para os ganks e não contar somente em estacar as ultimates, mas fazer um bom uso da Barreira da Dor (E) que reduz significativamente a velocidade de movimento dos adversários e os fragiliza ao mesmo tempo, e aplicar o dano isolado do seu Q. No geral, o melhor momento para agir é quando o inimigo está com rota avançada, portanto pense nisso antes de aplicar algum gank.
Um dos pontos fracos é que ele não consegue invadir a selva inimiga sozinho em um early game, justamente pela mobilidade do campeão, apesar de conseguir limpar a selva com facilidade. Invadir a selva inimiga requer um conhecimento e visão de tal território, e para fazer isso, seria bom uma mãozinha de um colega da partida! Sem contar que ele não se dá muito bem contra inimigos que tenham dano para burstá-lo, como um Kha’Zix, por exemplo. Porém, o mesmo acontece com ele, uma vez que ninguém invade um Karthus no primeiro clear da selva, porque ele faz uma limpeza muito rápida, mesmo ficando com a vida baixa. Para o inimigo se sair bem nessa invasão é necessário ler o trajeto do Karthus corretamente. E ainda assim, se o ceifador não estiver com a vida tão baixa, ele ganha o 1×1 nesse ponto do jogo porque normalmente falta burst adversário pra eliminá-lo. E em caso de um duelo cedo no jogo, mesmo que ele não consiga eliminar o inimigo – porque ele não consegue ir atrás e não possui um controle de grupo forte pra garantir um abate com o adversário tentando fugir -, a Colheita Sombria nas mãos de um Karthus ainda acumulará muito fácil em disputa pelo rio ou ganks.

  • Nas Rotas

Em lane, tanto no MID quanto no BOT, o campeão não está tão favorável quanto na jungle, apesar de ainda ser utilizado, principalmente pois na selva ele consegue evitar um matchup desfavorável, limpar os campos com mais facilidade e escalar rapidamente.

No MID, é fácil de abusar de suas mecânicas, portanto campeões como LeBlanc e Ahri têm muita pressão de kill em cima dele.
Além disso, no BOT há a desvantagem de experiência ganha em relação ao mid/jungle por dividir com o suporte, e tal rota é considerada uma long lane, o que pode dificultar a vida de quem escolhe o campeão . Ao fim da temporada passada ele veio muito forte, tendo sido possível perceber sua força nas mãos de Mills, atirador da INTZ, porém sua situação atual é um pouco mais catastrófica.

Golden Guardians vs. OpTic Gaming / LCS 2019 Spring – Week 3 (fonte: https://lol.gamepedia.com/LCS/2019_Season/Spring_Season) Dessa vez, o Karthus veio nas mãos do Froggen da OPT, que possuiu o maior farm da partida.

Acredito que, com os buffs que os atiradores vêm recebendo e até mesmo com a itemização AD, o Karthus no bot deva desaparecer e na selva deva sofrer também. Junglers que disputam rio com pressão do mid para controlar a rota inferior devem ganhar mais destaque, até para criar situações favoráveis para o bot. Além do mais, há a previsão de que o Karthus seja nerfado nas próximas atualizações.

  • Conclusão

Em geral, o Karthus é bom em limpar tanto campos da jungle quanto das lane com extrema rapidez e facilidade, devido ao seu grande dano AOE (Área de efeito) com as habilidades do Q e E. O early game pode ser um pouco mais complicado devido a ele ser um campeão “frágil”, com pouca vida base e não possuir muita velocidade de movimento, mas, em geral, é capaz de emplacar um dano altíssimo – o famoso canhão de vidro. Sua itemização é baseada em AP, independente de onde seja sua área de atuação – jungle, mid ou bot-, focando em vida e  cooldown reduction (redução no tempo de recarga), para suprir o baixo dano do Réquiem no início da partida.

Abaixo, algumas vezes que o Karthus apareceu durante as competições oficiais da Riot:

Origen vs. G2 Esports / LEC 2019 Spring – Week 1 (fonte: lol.gamepedia.com/LEC/2019_Season/Spring_Season) Karthus veio nas mãos do Jankos que fez uma atuação incrível e favoreceu muito para a condição de vitória da G2.

Mineira, 24, comentarista e analista de League of Legends, streamer, tradutora e torcedora da TSM.

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *