Post thumbnail

Hoje vamos conhecer uma jogadora de Fortnite um pouco mais de perto, dessa vez tive a oportunidade de entrevistar a Mai Mendes, jogadora de Fortnite que falou um pouco da sua experiência. Confira a entrevista que ficou bem bacana.

Como de fato você começou a jogar?

Depois da época das LANs com Counter-Strike 1.6, em meados de 2006 conheci o Call of Duty 3. Me interessei pela franquia, mas só joguei competitivamente em 2010, no Call of Duty Black Ops. Competi até o ano passado quando conheci o Fortnite e estou até hoje.

Quem te inspirou a jogar competitivamente?

Como tenho DNA de Call of Duty, eu só comecei a competir quando conheci o Stainville, na época player da EnvyUs, e a comunidade de brasileira Call of Duty, que tinham as equipes MIB e -SK- (sendo -SK- a minha favorita haha).

E tendo já sua inspiração como foi seus primeiros passos?

Meu irmão, ex-player de CoD, me apresentou a uns amigos dele na época do Black Ops, acabamos montando um time e competindo por ele.

Como é o feedback e reação das pessoas ao saber que você é mulher?

Muitas pessoas se espantavam quando vêem uma menina jogando, porém acredito que quem mais me ajudou nisso foram meus amigos que sempre me apoiaram, entretanto não tenho o que reclamar, recebi diversos feedbacks positivos e até algumas provocações como: “Para uma menina, até que você joga bem”

O cenário nacional no seu ponto de vista está aberto para contratação de mulheres para suas equipes no jogo?

Não, hoje existem bastante movimentos em prol das mulheres nos mundos dos games, isso está contribuindo para que muitas percam esse medo ou insegurança de mostrar-se como uma jogadora competitiva, tudo tende a levar para o lado positivo se as coisas acontecerem do jeito que está indo, é sempre bom ser otimista, com isso conseguimos contribuir para que eu mude essa resposta para “Sim” daqui algum tempo, porém temos algumas organizações brasileiras que estão dando valor às suas players e isso é gratificante de ver!

É maravilhoso ver mais mulheres estão batendo de frente com o preconceito que, SIM ainda existe e mostrando que mandam bem nos games, você conhece alguma mulher poderosa no Fortnite? Mostra para ela essa matéria.

Designer formada que trabalha com marketing, nas horas vagas é caçadora de recompensas dedicada, organiza campeonatos, cobre eventos de eSport e defende fortemente a comunidade feminina nos games, player ativa desde os 8 anos se lembra de ter gastado muito tempo no famoso Quake, e desde então os jogos são sua grande paixão.